Até logo, Porto Alegre!

Seja bem vindo JUNHO, o meu mês do aniversário! Mês de renovação e, este ano, de mudanças, estas que marcam o movimento da vida, embora a gente tenha tanta dificuldade, por vezes, a aceitá-las e vivê-las. A fonte da juventude chama-se “mudanças”. De fato, quem é escravo da repetição está fadado a virar cadáver antes da hora, algo que definitivamente não faz parte dos meus planos, movido e entusiasta que sou a tudo que afirma a vibração da própria existência.

Pois bem, o tão esperado junho de todos os anos chegou. Desde que projetei minha vinda a Porto Alegre, coloquei como objetivos o crescimento profissional, desenvolvimento como ser humano e a possibilidade de contribuir com o crescimento de outras pessoas.

Porto Alegre foi uma cidade que me acolheu com muito carinho e tamanha foi a identificação que hoje a vejo como a minha cidade, tornando-se uma extensão do que forma minha ideia de lar.

No entanto, dentro de alguns poucos dias, estarei desembarcando em São Paulo, uma cidade que sempre tive paixão por visitar e conhecer mas que agora está prestes a assumir um sentido maior do que até então tinha, o de lugar onde morarei. Evidentemente, bate aquele frio na barriga, uma ansiedade pra saber a resposta à pergunta que não cesso de fazer-me: o que, afinal, me espera por lá? Não faço ideia, mas, como sou uma pessoa que recusa a banalidade da vida, parto na direção de novos desafios e muitos aprendizados. Acredito que a vida não pode ser desperdiçada, devendo, portanto, ser vivida com propósitos. Aliás, essa palavra, em latim, carrega o significado de “aquilo que eu coloco adiante”. Ou seja, aquilo que eu estou buscando. Uma vida com propósito é aquela em que eu compreenda as razões pelas quais faço o que faço e pelas quais deixo de fazer o que não faço. Essas razões estão bem compreendidas em mim.

Como dizia o jornalista gaúcho Aparício Torelli, grande frasista que ficou conhecido como Barão de Itararé: “A única coisa que você leva da vida é a vida que você leva”.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.